12 - Uma Questão de Vida ou Morte (Cl 3.1-4)

Uma Questão de Vida ou Morte

 (Colossenses 3:1-5)

Pr. Davi Merkh

 

Introdução:  Filme: Casparzinho (o fantasma amigável) (filme no ônibus)—tema = como seria bom viver de novo!  Casparzinho fica sozinho, querendo um amigo, querendo estar entre os vivos.  O papai no filme, viúvo, um doutor pscicólogo, preocupa-se com o mundo dos espíritos e fantasmas na esperança de encontrar sua esposa de novo. Todos procuram a fórmula mágica, a poção especial, que dará nova vida, a alegria de relacionamentos, de um forte abraço, a sensação de cores vívida, o cheiro e sabor de um bom churrasco. . . Como é bom viver de novo depois de estar à beira da morte!

 

Viver de novo—esse é o tema de vários filmes, artigos e história.  A revista Seleções muitas vezes traz histórias de pessoas que ficaram entre centímetros de sua morte, mas que voltaram—vítimas de uma queda de aviões, um naufrágio, um acidente trágico nas montanhas.  Quase sem exceção, essas pessoas relatam como suas vidas mudaram depois de quase morrerem.  De repente, tudo é diferente.  Reavaliam suas prioridades.  Reconsideram o que realmente é importante.  Reconstroem relacionamentos com cônjuges.  Gastam mais tempo com suas famílias.  Páram para cheirar as flores. 

 

Ao voltarmos para nossos estudos do livro de Colossenses, e ao aproximarmos ao feriado mais importante para a fé cristã, Páscoa, descobrimos que “viver de novo” é um tema central para a vida cristã também.  De fato, a vida cristã é uma questão de vida e morte.

 

Ler Col 3:1-4

 

Contexto:  Colossenses-A Primazia de Cristo! 

 
 

Idéia do Livro: Somente Jesus Cristo pode satisfazer o coração do homem.  Jesus é um Salvador Supremo, por ser ele o Senhor Suficiente.

 
 

 

 

 


Capítulo 1 nos mostrou . . .

Para o cristão, Jesus é tudo, nossa razão de viver.(1:15-20)

O verdadeiro ministério cristão está totalmente focalizada em Cristo Jesus (conhecê-lo e torná-lo conhecido.)  (Como alguém certa vez comentou sobre o propósito de sua vida: Conhecer o Invisível e torná-lO visível) (1:24-29).

 

No capítulo 2 descobrimos que

A essência do ministério cristão é a mensagem de Cristo. (2:1-5)

            A essência da vida cristã é uma vida navegada em união com Cristo. (2:6-8)

A essência da obra de Cristo está centralizada na cruz. (2:9-15)

 Qualquer doutrina, ensino ou ênfase de vida que toma o lugar central de Jesus Cristo constitui uma ameaça á fé verdadeiramente cristã! (2:16-23)

 

Em tudo Paulo simplificia as coisas até o Denominador Comum—Jesus Cristo, e nosso relacionamento com Ele.

 

Mas se Jesus Cristo é tudo na vida cristã, há implicações bem práticas para cada um de nós.  A vida cristã

é algo muito sério, não simplesmente um seguro contra o fogo do inferno.  A vida cristã é uma VIDA!

 

Por isso, ao chegarmos na “dobradiça” do livro, começamos a descobrir algumas das implicações éticas de uma vida centralizada em Cristo.  É assim que Paulo faz em quase todas as suas cartas.  Depois de esclarecer para nós a nossa verdadeira identidade em Cristo, nossa POSIÇÃO, ele revela a PRÁTICA que a vida de Cristo produz.  (cf. Ef 4:1, Rm 12:1,2)  Ensino leva para ética, condição para conduta, doutrina para dever.

 

 

 

 

            Ilust.: Um pai em coma, de repente acorda . . . novas responsabilidade.  Não dá para ficar na cama, muda, inativa.  Precisa voltar a viver, pensar, etc.  Aprender a funcionar com uma nova vida.  (Mulher em coma durante 18 anos)

 

Transição Inicial: Nesse texto, descobrimos que a vida de Cristo em nós é uma questão de VIDA E MORTE!  Podemos dizer que somos mortos-vivos em Cristo.  Como é a vida de um “morto vivo”?  Um vivo-morto é alguém que parece vivo,  mas está destinado à morte.  Alguém que vive como se não tivesse amanhã.  Comamos, bebamos, porque amanhã morreremos.” 

 

Mas a vida de um morto vivo é diferente.  Seu lema se torna, “Comamos, bebamos, porque amanhã viveremos.” Em outras palavras, tudo na vida tem novo significado, significado eterno, pois terá conseqüências que durarão para toda a eternidade.  Nada é insignificante na vida de um morto para esse mundo, mas vivo para o próximo.  Como o autor de Eclesiastes nos lembra, tudo será lembrado para todo sempre.  E o autor de Hebreus acrescenta, Deus não é injusto para ficar esquecido dos nossos atos de amor pelos irmãos (6:10).  Nenhum copo de água dado em nome de Jesus passará desapercebido (Mc 8).

 

Uma Questão de (Nova) Vida (3:1,2,4): Somos Mortos-Vivos, Vivendo para o Céu.

 

Avanço no argumento: Uma vida centrada em Cristo leva para uma vida focalizada no céu:

            Cristo-centrismo leva para céu-centrismo! 

A vida cristã parece um pouco como a vida do céu vivida aqui na terra.  Talvez seja isso o que Jesus tinha em mente na oração dominical quando falou, “faça-se a tua vontade assim na terra, como no céu.”  (Mt 6:10)

 

Pano de Fundo: “Portanto” (3:1): Antes, éramos vivos-mortos (nossa identidade SEM Cristo—2:13 “E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões . . . “  Agora, são mortos-vivos (2:13 b “vos deu vida juntamente com ele . . . 3:3 porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.  Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar . . . “

 

A vida cristã é uma questão de vida e morte, porque nós morremos juntamente com Cristo para o pecado, mas ressuscitamos para novidade de vida!


 

I.             Uma Perspectiva Nova: Ressurreição!   (3:1a)

 

Ressurreição tem a tendência de mudar radicalmente sua perspectiva sobre a vida!

 

“Se fostes ressuscitados juntamente com Cristo” –a primeira parte de um “silogismo” que não deve admitir de exceções.  Uma declaração lógica de “Se . . . então”.  A segunda parte segue naturalmente a primeira.  Só que nesse caso, a premissa é garantida.  Paulo usa uma expressão original que significa, “Se vocês foram ressuscitados—e eu sei que foram . . . “

 

Essa é a nova identidade dos crentes em Cristo Jesus.  Mortos para esse mundo, para a velha natureza, para o poder do pecado, mas vivos para Jesus, pessoas andando em novidade de vida, pessoas vivendo a vida de Cristo, pequenos Cristos na terra, esperando o dia da vitória final na sua pátria verdadeira.

 

Col 2:12 já desenvolveu essa idéia:  tendo sido seupltados juntamente com ele no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.

 

Cl 3:3-5.  O outro lado da nossa nova vida com Cristo, é uma questão lógica.  Se ressuscitamos com Cristo, logo, tivemos que morrer.  Não é possível viver de novo se nunca morremos.  A Palavra de Deus deixa muito claro que novidade de vida somente vem depois de morte.

 

Precisamos refletir na nossa posição em Cristo.  Precisamos lembrar o que éramos sem Cristo, e o que Ele fez por nós.

 

Repare no paradoxo: fazei morrer a vossa natureza terrena.  (Cp 3:1,2—vida celestial, natureza terrena).  Para sermos bons cidadãos do céu temos que morrer para a terra.

 

Ilust.: Alguns aqui já experimentaram isso. . . entraram na sala da cirurgia sem saber se haveria um amanhã . . . ponte safena, um parto difícil, um transplante, uma infecção séria, um acidente.  Depois de encarar a morte face a face, suas prioridades mudaram, o significado de sua vida mudou, as coisas que pareciam tão importantes não eram tão significativas mais.  Você ganhou uma nova apreciação por relacionamentos, pessoas, família, irmãos e irmãs na fé.  Nosso ritmo acelerado de vida decelerou, nossas ansiedades sobre dinheiro, trânsito, e as pequenas irritações da vida mudaram.  Ganhamos uma nova perspectiva sobre vida e morte.

 

Aplic.: No nosso caso, não somente voltamos da sala de cirurgia, voltamos do cemitério!  Como nossa vida deve mudar!  Não faz sentido receber Jesus como Salvador e não viver para Ele como Senhor.  A evidência mais clara de que alguém realmente não abraçou Jesus como Salvador é que não viver para Ele como Senhor.  Seria como alguém que volta de um transplante de pulmão que começasse a fumar na sala de recuperação.  Ou um transplante de figado que pediu uma pinga.  Um de 5 pontes safenas que pediu um churrasco de cupim. 

 

Essa é a perspectiva de um peregrino, alguém com cidadania e vida numa outra pátria. (Hb 11:13; Fp 3:20)

 

Aplic.:  Nós estávamos MORTOS (Ef 2:1-4).  Condenados para eternidade sem Deus.  Numa situação perigosíssima.  Mas Deus nos vivificou.  Deus, em Cristo, nos deu nova vida! 

 

(Perspectiva Nova . . . Procura nova)


II.  Uma Procura Nova:  Céu-centrismo (3:1b)

“Buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus”. . .

 

Céu-centrismo é a conseqüência natural de Cristo-centrismo!  “Onde Cristo vive, assentado à destra de Deus!” Céu é céu porque Cristo está lá.  (Hb 1:13 Cristo assentado à diretia de Deus Pai.)  Quem foi ressurreto em Cristo, tem uma preocupação muito grande com Cristo.  A vida dele é minha vida. 

 

Ilust.:   Digamos que eu tenho um problema muito sério nos rins.  Os médicos só me dão uma chance de viver—um transplante de rim.  Existe um parente lá nos Estados Unidos, uma das minhas 3 irmãs, que tem um rim que pode doar.  Só que ela está grávida, e só poderá doar o rim daqui a 3 meses, depois do parto e recuperação . . . o destino da minha irmã é meu destino.  A saúde da minha irmã é minha saúde.  Todo dia eu ligo no telefone para saber como ela está.  Todo dia eu verifico as mensagens no correio eletrônico para saber como ela está.  Ela é a minha salvação.  Ela é a minha vida.  Cristo, nossa vida (1:27—Cristo em nós, a esperança da glória.. . );  3:4 Quando Cristo, que é a nossa vida”)

 

Aplic.: Baseado nessa exaltação de Jesus e a realidade da nossa identidade escondida nEle, devemos permitir que “Cristo em nós, a esperança da glória” seja uma realidade.  Devemos viver conforme nossa “cidadania” nos altos com Jesus.  Por isso, negamos nossa natureza velha, pecaminosa e suja, e escolhemos viver, pelo Espírito, a realidade de amor, perdão e santidade da nossa nova natureza em Cristo.  Recebemos um transplante de coração, e agora temos o coração de Cristo batendo em nós!

 

Existe uma expressão em inglês: He’s so heavenly minded that he’s no earthly good.” (Ele é tão focalizado no além que não presta no aqui e agora”)  Colossenses nos chama para uma vida que é tão celestialmente focalizada que é terrestralmente boa. O Cristo-centrismo que leva para céu-centrismo leva para seu-centrismo!  A vida de Cristo vivida em mim é uma vida outro-cêntrica!

 

Ressurreição muda dramaticamente sua vida!  Renova nossa perspectiva!  Lava o passado, começa tudo de novo.  (2 Co 5:17 Se alguém está em Cristo, nova criatura é . . . as coisas velhas já passaram.”

 

Pergunta: O que significa buscar “as coisas” lá do alto?  Quais “as coisas”?  Significa buscar o que é importante Àquele que nos salvou, que nos deu nova vida.  São valores eternos. São valores celestiais. São prioridades que realmente valerão a pena daqui a 100 anos . . . ou 1000 anos.  Essa é a perspectiva sábia, madura, que considera o fim do homem e vive para a eternidade.  Mas exige muita fé, muita maturidade.  Nossa tendência é de ficarmos presos no aqui e agora, sofrendo de miopia na visão eterna (espiritual).

 

Todos nós temos esse desejo nato de buscar a imortalidade, de construir algo que vai nos sobreviver.  Por isso é que construímos nossos sepulcros de granito e mármore e não de papelão.  Por isso que damos nossos nomes para ruas e projetos.  Por isso que temos filhos.  Queremos contribuir algo que será lembrado, que terá valor, que será nosso legado.

 

Esse texto nos lembra da importância de fazer investimentos eternos.  Essas são “as coisas” lá do alto.

 

Testemunho: Essa é a mensagem que mudou minha vida como jovem de 17 anos.  Pela primeira vez na minha vida realmente compreendi o significado da eternidade.  Deus efetuou uma transformação em mim que me fez buscar as coisas lá do alto.  Gostaria de sugerir pelo menos 3:

1.    A Palavra de Deus                       2. A Pessoa de Deus              3. O Povo de Deus

Nenhum investimento nessas 3 coisas “do alto”, eternas, voltará vazio.  (Mc 8:36, Hb 6:10, 1 Co 15:58).

 

Aplic.:  Pausa.  Será que esses são os alvos da minha vida?  É isso que me motiva?  A Palavra de Deus, a Pessoa de Deus, e o povo de Deus?

 

Se essa ressurreição é verdadeira, tudo muda!  De repente, nossos desejos, interesses, alvos, objetivos, mudam.  O foco da nossa vida é outra.

(Perspectiva nova: Ressurreição!  Procura nova: Céu!


 

III.  Um Pensamento Novo: Renovação (3:2)

 

“Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra”

 

A vida cristã envolve renovação de pensamento!  Rm 12:2 diz, e não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”.

 

A essência da vida cristã é mental.  O coração como ponto de partida para toda transformação verdadeira.  “Pensai” = meditar, refletir, cogitar, ruminar.  A mente (o coração) determina as ações.

 

1 Jo 2:15-17 nos lembra, “Não ameis o mundo, nem as coisas que estão no mundo. . .. tudo que há no mundo . . . não procede do Pai, mas procede do mundo.  Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência,; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente.”

 

Não somos mais cosmo-cêntricos, mas céu-cêntricos!  (Parte de “céu-centrismo” é “seu-centrismo”, quer dizer, fico livre para buscar os SEUS interresses antes de MEUS!  Essa é a ética cristã, tudo porque temos a certeza de que há uma outra vida que nos aguarda.  Essa vida não é o fim para mim.  Posso comer, beber e me divertir à luz da realidade de que viverei para sempre.

 

Para sermos céu-cêntricos, temos que sofrer mudanças em nosso pensamento.  Se não, sempre seremos puxados de volta para a terra.  DEUS NOS FEZ PARA VOAR NAS REGIÕES CELESTIAIS.  Mas o inimigo que nos puxar para a terra, como se esse mundo fosse o único que existisse.

 

Fp 4:8 diz “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”

 

Aplic. Será que são esses os pensamentos que ocupam minha mente?  Ou será que permito que minha mente seja conformado para esse mundo?  Que a propaganda desse mundo me torna egoísta, materialista, avarento?  Que as seduções desse mundo me tornam impuro, sujo, pervertido?

 

Aplic.: As coisas que procuramos revelam muito sobre se somos mortos vivos, ou vivos mortos.  Como transformar nossos pensamentos para serem celestais e não presos a essa terra?  No restante do livro Paulo nos dá algumas dicas sobre como pensar sobre várias áreas das nossas vidas, a fim de investirmos na Palavra de Deus, Pessoa de Deus e Povo de Deus?  Algumas sugestões, áreas para o Espírito de Deus sondar nossos corações.

 

            1.  Família: Interessante como pessoas que voltam de uma experiência face a face com a morte, geralmente adquirem uma nova perspectiva sobre relacionamentos familiares.  Que eu saiba, nenhum homem de negócios chegou ao final de sua vida, e com remorso reclamaou, “Se pudesse gastar somente mais uma hora trabalhando tarde na minha firma!  Se pudesse ter ganhar mais um real!” Mas quantos morrem com ressentimento, querendo ter investido mais em seus casamentos, seus filhos, seus netos.

(Cl 3:18-21)

 

2. Serviço: Será que encaramos nosso trabalho como um verdadeiro chamado do Senhor para investir na eternidade?  Será que consideramos nossa profissão algo menos espiritual que aquele que “serve ao Senhor”?  Será que entendemos que Deus chama cada um para desempenhar um serviço, seja como dona de casa, dono de uma empresa, arquiteto, jardineiro, professor, advogado, balconista ou seja o que for, como pessoas com olhos fixos na eternidade, usando seu serviço para gerar recursos para o reino, para ganhar pessoas para Jesus, para ser íntegro e permitir que a luz de Jesus brilhe nos cantos mais escuros e obscuros deste mundo?

 

Cl 3:17, 23-24

 

 

 

3. Missões (evangelismo)

Cl 4:3-6 Oração e ação em evangelismo do mundo.

Finanças (investimentos): Vivemos buscando o “além” ou o “aqui e agora”.  Como alguém comentou, a última parte do nosso corpo a se converter é nossa carteira!  É justamente nas finanças que temos que por nossa fé na linha.  Se viveremos bilhões e bilhões de anos desfrutando os galardões e a alegria de termos construído aqui para eternidade, por que somos tão mesquinhos na obra do Senhor?  Porque vivemos como se esse mundo fosse o único e último?  (Missões)

 

Mt 6:19-21 “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam;  mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam nem roubam; porque onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”1 Tm 6:6-10, 17-19**

 

4. Relacionamentos: Será que encaramos nossos relacionamentos com o céu-centrismo?  Será que procuramos nos unir com pessoas que nos ajudarão a avançar o reino de Deus, ou pessoas que vivem somente para aqui e agora?  Pessoas que têm os mesmos valores que temos?  (2 Co 6:14)  Será que vivemos em paz e amor com irmãos com quem passaremos toda a eternidade?  Será que poderá evitar certos irmão durante bilhões de anos, como você evita aqui na terra?

Cl 4:7-17—pessoas são centrais na pessoa que é Cristo-cêntrico e céu-cêntrico.  Isso porque reconhece que pessoas viverão para sempre, ou no céu ou no inferno.

*Amizades     *Namoro         *Casamento               *Sócios

 

Conclusão: Cristo-centrismo leva para céu-centrismo na vida cristã

 

Somos Mortos-Vivos, Vivendo para o Céu.

 

Uma vida centrada em Cristo leva para uma vida focalizada no céu:

           

Apelo: Vida focalizada no céu, onde Cristo vive. 

            Perspectiva nova

            Procura nova

            Pensamentos novos.